terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Avatar

De motorista a hoteleiro...




Este foi o primeiro Hotel no Algarve, em princípio abriu como estalagem, e foi considerado na época, um projecto moderníssimo e futurista, sem dúvida alguma se emquadrava bem nos dias de hoje com a nova câmara municipal de Lagos. Esta estalagem era direcionada em princípio a viajantes, e outras pessoas ligadas ao ramo dos transportes, dai o nome de São Cristóvão, o Santo protector dos motoristas e dos viajantes, mais tarde, foi ampliado para Hotel e perdeu toda a sua traça original.

Tudo isto foi a idea, dum grande homem que recordo: pessoa muito activa, alegre, um homem confiante, que não precisou de provar nada para ninguém nem se gabar de seu sucesso, mas que gostava de se mostrar no seu mercedes, talvez para compensar, o charmo e a vaidade que não tinha, e que talvez, em certas ocasiões , senti-se a falta, devido ao grande empenho naquilo que fazia, e o estatuto daqueles que mais o admiravam, e seus serviços procuravam.
Aliás, num post mais atrás, já o Tínhamos mencionado, o Hermano do Nascimento Baptista, (18 de Maio de 1907 - 2000, na fotografia ao lado o 3 da direita em baixo). Antes de se realizar como empresário de hotelaria e chefe de cozinha, foi motorista de autocarros, e também teve um negócio no comércio de frutos secos. Construiu o Hotel de São Cristóvão em Lagos, a primeira unidade hoteleira no Algarve.
Um grande entusiasta da culinária, tornou-se num "mestre" desta arte, representando, e servindo banquetes de gastronomia regional algarvia em diversos eventos, em Portugal e no estrangeiro. Um artista culinário, que em forma de brincadeira ou não, dizia-se: que, o Hermano, em certos banquetes, conseguia iludir os convidades e servir(brindar) estes, com pratos, onde a lagosta abundava, só que no fundo, (sem que ninguem se apercebe-se do truque), não era nem mais nem menos, que "arraia", um peixe com polpa branca, como a lagosta, mas, muito mais barato que o precioso marisco, genial!
Por tudo isto, recebeu a medalha de mérito "Grau Ouro" da parte da Câmara Municipal de Lagos.

Relacionado com tudo isto, li, há já algum tempo um artigo sobre esta zona ribeirinha, onde este hotel ainda se integra, assim como o arquitecto que projectou tudo isto, caso não tenha tido a opurtunidade de ler, fica aqui este link, onde se pode ler entre outros assuntos, o seguinte:
"A estalagem e uma bomba de gasolina que lhe era adjacente formavam o Posto Rodoviário de Lagos, que constituiu o trabalho de final de curso para defesa de tese e obtenção do diploma de arquitecto do seu autor, o arquitecto António Vicente de Castro, que obteve, na Escola de Belas Artes do Porto, em 1955, a média final de 19 valores."
Leia o resto aqui: Arquitectura Modernista no Algarve: a propósito dos «barracões» que envolvem a nova Câmara de Lagos



6 comentários:

jorge ferreira disse...

Bem perto da nova Câmara existe um outro edifício deste grande Arquitecto Algarvio pertença do Centro Anino dos Santos (Patronato) degradado, mas em condições de ser recuperado e preservado para que as gerações futuras o possam desfrutar e apreciar. No entanto, está em preparação a sua venda aos especuladores do costume. Os responsáveis do Centro , os nossos responsáveis políticos e o senso comum bacoco, acham que se trata de um mamarracho, e que naquele lugar ficam bem um alfobre de prédios com cinco ou seis andares, quando, na verdade estamos perante um obra singular, de um época rica da arquitectura portuguesa, mencionada em diversas obras da especialidade, e marcante da nossa cidade, cuja perda será irremediável e de valor incomensurável .

Tenho feito algum trabalho no sentido de se evitar a sua destruição. Se estiver(em) interessado(s) contactem-me. Todos seremos poucos para o conseguir.

Telef:282 767 127
Fax 282 761 311
jorgeferreira595e@gmail.com

P.S.: Hermano Batista (o nome da minha rua) ainda tive o privilégio do seu convívio e prazer da sua mesa. Um homem simpático e, como se vê, com uma visão empresarial que hoje nos faz falta.

Anónimo disse...

Lembro-me do Hermano Baptista, mas da sua interessante vida nem me passava pela cabeça, desde remador nos tempos livres, camionista, cosinheiro e empresario, grande homem.

Anónimo disse...

A idea do Jorge Ferreira, é positiva, mas só na teoria, porque contra esta câmara, por muitos que sejamos com ideas, falta sempre qualquer coisa o dinheiro.

canalha de lagos disse...

Caro Jorge Ferreira!

Muito interessante o seu comentário.

Gostei muito da sua iniciativa!
e do trabalho que tem vindo realizando, no sentido de se evitar a destruição dum passado ainda tão próximo, de nossa cidade.

É uma idéia interessante e muito bem-vinda.

Um abraço

MiM disse...

O Senhor Hermano Baptista, um Homem notável de quem guardo uma memória muito viva, foi agraciado com uma Comenda cuo nome desconheço. Mas pelo facto deveria incluir-se "Comendador" na designação da rua que tem o seu nome.
Recordo ainda que o Senhor Hermano Baptista foi responsável pelos Serviços de Protocolo de Estado na Presidência da República ao tempo do Senhor General António Ramalho Eanes, facto que não encontro referido nenhures.
Um lutador, grande exemplo de vida, nunca o vi mal disposto, tinha um sentido de humor inesquecível, que ainda está presente pelo menos no seu neto José Hermano Baptista.
Um Abraço para todos.

Hugo Beaty disse...

As referencias e o passado de Lagos, foram soterrados pelo Be~tão, pelo mau gosto, pela cobiça e ganancia de alguns.
As referencias historicas da cidade, desaparecem todos os dias, em cada fachada que é ruída, em cada rua que é "modernizada" com obras de gosto duvidoso, com a destruição dos lugares de referencia, com as rutundas cheias de alegadas obras de arte compradas a amigos do regime, etc.
Porto de Mós e Meia Praia são a prova disso.
Em 10 anos , nem centro historico haverá.
Tudo isto perante uma passividade da população que só encontra paralelo no tempo de Filipe I.
Lagos está cheio de Migueis de Vasconcelos.